quinta-feira, 3 de junho de 2010

Nota

Hoje, dia 3, minha vizinha veio informar que o Ding foi encontrado por ela dia 31, caído no jardim. Chegou a chamar um veterinário, mas ele já estava morto, com um machucado no peito. Achei melhor ter a notícia do fim a ficar sempre pensando o que seria dele e nunca mais saber.
A possibilidade de sobreviver a uma fuga é muito remota, esses bichinhos são muito delicados e morrem à toa mesmo. Uma pena.
Sou muito grato pelo privilégio de ter convivido com ele, aprendi muito.
Vai ficar pra sempre.
Obrigado aos amigos pelos telefonemas, e-mails e mensagens de apoio.
Obrigado mesmo.
Vou deixar o blog no ar por uns dias, depois dou baixa.
A Jade vai ser levada hoje para um amigo do meu filho,que tem um agapornis macho igualzinho a ela e vai ficar em boa companhia.
Abraços.
Ismael

terça-feira, 1 de junho de 2010

A ÚLTIMA POSTAGEM

















Dia 31 de maio, lá pelas 18 horas ouço o chamado do Ding lá embaixo. Mesmo estranhando ouvir do escritório no andar superior da casa, não fui até lá para verificar. Ainda abri a janela e olhei se ele estaria na janela do banheiro, como o surpreendera uma vez, quase fugindo. Até pensei comigo “tenho que colocar uma tela de metal nessa janela”, mas voltei aos meus afazeres, mesmo porque lembrei que tinha retirado as toalhas que estavam sobre o box, pois ele já estava voando para cima. No dia anterior pensei em aparar sua asa, mas não o fiz.

Fui deitar cedo, com uma sensação diferente e não atentei à falta de reclamação dele.

Por volta da meia-noite acordo com o mesmo estranhamento, vou ao banheiro, abro a tampa do ninho e coloco minha mão lá dentro pra fazer um afago, coisa que costumava fazer.

Só um passarinho no ninho. Jade pia reclamando.

Acendo a luz e constato. O Ding fugiu!

Ainda chamei, acendi as luzes do quintal, dei a volta, verifiquei a piscina, fui até a rua, chamei, chamei e nada. Ele não fugiu, saiu pela janela me chamando, me procurando e deve ter passado por debaixo do portão e se perdeu.

A esperança é a última que morre, dizem. Hoje mandei imprimir panfletos para distribuir pelo bairro com a foto dele e meus telefones, quem sabe ainda seja possível que o título desta postagem esteja errado. Tomara.

Não foi possível dormir. Foram quase três anos de convivência diária. Todos os dias ele descia do ninho, caminhava até minha cama, subia e vinha bicar meu nariz e ficava piando até que eu o pegasse na mão pra fazer cafuné. Às vezes dormíamos assim. Às vezes ele não queria dormir e não me deixava dormir também, nessas, eu ralhava com ele, mas não tinha jeito, ou levantava ou levantava. Algumas vezes eu acordava mais cedo, antes dele e, ao ir ao banheiro, ouvia-o chamar, mas se não acendesse a luz, ele não saia do ninho.

Lembrei com detalhes de quando pisei na cabeça dele e ele quase morreu. Passei um dia e duas noites alimentando-o de hora em hora com papinha na seringa. Horas de preocupação e dor. Já tinha sentido dor de perda em relação a ele antes.

Mais forte que a dor da perda é a gratidão. O Ding foi uma benção. Nas horas difíceis que só quem me conhece sabe que passei, ele vinha esfregar seu bico no meu queixo, exigindo carinho e atenção, me distraía. Gratidão também pela lição de desapego que a gente tem que exercitar sempre.

Gratidão parece o sentimento mais nítido. Olhando pra trás e vendo tudo o que ele me proporcionou em troca de tão pouco, me parece muitoa foto dele acima. A vidinha dele tem sido bem isto:

Senhor: Fazei de mim um instrumento de vossa Paz .

Onde houver Ódio, que eu leve o Amor,

Onde houver Ofensa, que eu leve o Perdão.

Onde houver Discórdia, que eu leve a União.

Onde houver Dúvida, que eu leve a Fé.

Onde houver Erro, que eu leve a Verdade.

Onde houver Desespero, que eu leve a Esperança.

Onde houver Tristeza, que eu leve a Alegria.

Onde houver Trevas, que eu leve a Luz!

Ó Mestre,

fazei que eu procure mais:

consolar, que ser consolado;

compreender, que ser compreendido;

amar que ser amado.

Pois é dando, que se recebe.

Perdoando, que se é perdoado e

é morrendo, que se vive para a vida eterna!

Amém!

Aos amigos que seguiram e participaram deste blog comentando e sugerindo, meu muito

Obrigado.

Ismael


quarta-feira, 19 de maio de 2010

Enchendo a cara!

Recebemos um e-mail com um filminho interessante:
O vídeo é Francês, mas você não precisa entender francês.
O vídeo é sobre uma fruta que dá em uma árvore africana.

Se ela é retirada da árvore, é excelente de paladar e não há nenhum problema em comê-la, no entanto, se ela não é retirada da árvore,
ela fermenta e cai do pé.
É a amarula.

Fermentada, ela desenvolve propriedades similares ao álcool... e já que a fruta fermentada está no chão e a luta pela sobrevivência cansa, todos os animais são convidados a participar do
HAPPY HOUR NA SELVA !

video

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Brinquedão




Um amigo do meu humano veio de Brasília e deixou a moto dele aqui. Ele volta na semana que vem para buscar. Como não podia deixar passar em branco, fiz umas poses no brinquedão. Depois eu e Jade fomos dar um passeio pelo jardim.
Clique nas fotos para ver grandão.









video

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Agora há pouco


Estávamos eu e Jade conversando e olhando o movimento pela janela e não vimos o nosso humano fotografando. Até uma briguinha ele pegou. Que indiscreto!
video

sexta-feira, 23 de abril de 2010

A INSUSTENTÁVEL LEVEZA DO SER

Ontem, no dia do aniversário do meu humano número dois, foi o Dia da Terra.

DING – Nossa! Mãe Terra, tá brava?

TERRA – Não filhinho, isso sempre foi assim, só piorou um pouco.

DING – Piorou por quê?

TERRA – Humanos, humanos...

DING – Terremotos, maremotos, enchentes... E esse vulcão da Islândia?

TERRA – E logo começa a temporada de tufões , furacões e tornados.

DING – Que medo!

TERRA – Mas onde você mora não vêm, não tenha medo.

DING – Tornados são feitos por Sacis?

TERRA – Só se eles fossem humanos.

DING – Se fossem, teríamos de chamá-los afro-descendentes portadores de necessidades especiais? Kikiki!

TERRA – Ô passarinho sapeca! Você tem pena, mas não tem dó!

DING – Terra, você é azul!!!

TERRA – Ding, você também! RE RE RE!

DING – Se eu chamar o El Niño pra uma entrevista você deixa?

TERRA – Ele não pode dar entrevista, é apenas um fenômeno.

DING – Uai, o Ronaldo é fenômeno e dá!

TERRA – Mas o Ronaldo é humano, o El Niño, não.

DING – Tá bom. E La Niña, pode?

TERRA – Também não, ela também é um fenômeno.

DING – O que vai ser de você?

TERRA – O futuro a Deus pertence.

DING – No futuro, adeus homem?

TERRA – Se continuar assim, talvez.

DING – Tudo é talvez, não?

TERRA – Talvez seja.

DING – E aquele Iceberg que você soltou?

TERRA – É grande, você viu?

DING – Muito grande. Como é o nome dele?

TERRA – Não dou nome às coisas, deixo isso para os humanos.

DING – Tem deixado coisas demais para eles.

TERRA – É que eles têm o livre arbítrio.

DING – Deus me livre! Kikiki

TERRA – Sabe Ding? Eu queria discordar do título que você usou para esta entrevista.

DING - ? (Cara de ué!)

TERRA – Deveria ser “A Insustentável Levadeza do Ser”...RE RE RE !

DING – Kikiki! É que o título deve homenagear o entrevistado, não o entrevistador.

DING – Terra, você é oca?

TERRA – Sou, você também!

DING – O que tem dentro de você?

TERRA – O mesmo que tem dentro dos humanos, um sol.

DING – Mas os cientistas dizem que só tem lava.

TERRA – Os cientistas já me chamaram de chata, de plana, de quadrada. Um até iam queimar porque teimava que eu era redonda e girava em torno do Sol. Eles furaram a camada superficial da pele e quando a Deusa Pele apareceu, acharam que tudo lá dentro era igual.

DING – E não é?

TERRA – Não. Se pelas próprias leis da física, se aplicasse o que eles dizem, daria para comparar com a gema de um ovo, aquela pele fininha sustentando toda a massa de gema em seu interior, que, devido a sua própria espessura diminuta, não suportaria toda a matéria interna mole sem se deformar.

DING – E por que no ovo, a gema não deforma?

TERRA – Porque é sustentada pela clara, mas, mesmo assim deformará se o ovo for sacudido violentamente.

DING – E neste dia da Terra, você acha que tudo o que os humanos fizeram de errado tem conserto?

TERRA – Tem, mas vai demorar. Agora, alguma coisa começou a ser feita e tem muito a caminhar essa onda ecológica, quando as humanas criaturas irão, aos poucos, se conscientizar da minha existência como Ser vivo e aprender a apagar suas pegadas de destruição¹.

DING – Plantando árvores para compensar a emissão de carbono?²

TERRA – Sim. Mas veja a idiossincrasia do ser humano, a partir da coleta de sementes de espécies nativas até a maturidade suficiente das mudas para o plantio, há um tempo considerável sob a ótica humana. Agora, alguns técnicos avisam que vai faltar árvore em condições de plantio para fazer frente à demanda que esse movimento criou.

DING – Não entendi nada! Não vai ter árvore?

TERRA – Claro que vai, pois em mim, em se plantando tudo dá. A semente, ao germinar e emitir suas primeiras folhinhas já está fazendo o trabalho a que a árvore se destina. Mas o que o homem precisa é parar com essa loucura de sujar tanto e com tanta velocidade.

DING – E o que você vai fazer?

TERRA – Vou continuar tendo uma reação NATURAL. O que faz um cachorro quando as pulgas começam a picar?

DING – Ele se coça.

TERRA – Então!

DING – Então você não está brava, só está tendo uma reação natural.

TERRA – Na verdade, o que está acontecendo sempre aconteceu, mas era mais bem distribuído no tempo, como se, por ser de matéria, eu vivesse limitada a esse humano conceito de tempo.

DING – Então, tudo é reação?

TERRA – A toda ação corresponde uma reação.

DING – Coitadinho do jacaré! Kikiki

VEJA AQUI O FILME DO GREENPEACE

(¹) Calcule suas pegadas no site do WWF.

) Compense suas pegadas , também tem como calcular suas emissões de carbono no site Florestas do Futuro.


Fotos NASA: entrando, a fina pele da gema, vulcão, Terra crescente, falha de San Andreas e vista de perto.


terça-feira, 20 de abril de 2010

DIA DO ÍNDIO





















Não gosto muito de índio. Eita povo que não tem dó de quem tem pena.
Crédito das fotos:
http://br.olhares.com/indio_assurini_foto703022.html
http://www.defensoria.pa.gov.br/?q=node/252

sábado, 17 de abril de 2010

Martim, o pescador


Lembra do Martim Pescador da postagem do outro dia? (9 de abril)
Olha ele aqui papando.
Clique na imagem para ver o fominha grandão!

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Niver do meu humano número dois














Pois é, acabei reencontrando amigos e fazendo novos, olhe as fotos.

A primeira com meu humano número 3.

Clique nas fotos!

sexta-feira, 2 de abril de 2010

ENTREVISTA DE PÁSCOA

DING – Para comemorar a páscoa convidei dois coelhos famosos.

COELHINHO DA PÁSCOA – Oi Ding, até que enfim você me chamou!

TAMBOR – Fala aí, véi!

D – O que significa pra vocês representar a páscoa?

CP – Ah, eu acho lindo! Todas as crianças querem ganhar um ovo de páscoa, mas também querem ter um coelhinho lindinho e peludinho como eu.

T – Qual é, o da Páscoa, tu é guei?

CP – Não, sou emo.

T – Acho que tu é guei.

CP – Emo! Emo! Emo!

T – Guei!

CP – Emo!

T – Guei!

CP – Emo!

T – Guei!

CP – Emo!

T – Guei!

CP – Emo!

T – Guei!

CP – Emo!

T – Emo!

CP – Guei!

D – kikiki!

T – kakakakaka! Turum, pá, Tum, tu-tu-tu, pá-pá!

CP – Humpf!

D – Fala sério, e você, Tambor?

T – Eu só quero me divertir, acho que essa história de coelho tá mal contada. Quem bota ovo é passarinho.

D – Passarinha!

T – Guei!

D – Olha quem fala, você anda com um Bambi.

T – Colega de trabalho, eu respeito.

CP – Liga não Ding, ele ficou revoltado assim depois do incidente com o urso.

D – Qual?

T – Para com isso, ô traíra!

D – Conta!

CP – O urso tava atrás da moita e chamou o Tambor: “—E aí, Tambor, você solta pêlo?” hic, hic!

D – Bom, e daí?

T – Olhaaaa!

CP – O Tambor respondeu que não, aí o urso o pegou e o usou pra limpar o rabo! Hic, hic, hic!

D – kikiki!

T – Humpf!

D – Nossa! Ficou fedendo um mês! Kikiki

T – Ah, vai te catar, passarinho.

D – Fala sério, é fácil ser coelho na páscoa?

CP – É sim, às vezes cansa um pouco quando as crianças ficam pegando a gente, as pequenas apertam muito e dói.

T – Bom, é melhor que ser peru ou leitão no natal. Ka, ka, ka!

CP – Eu gosto!

T – Eu me escondo, não ligo muito. É bom quando eles colocam uma porção de coelhinhas com a gente.

D – E depois da páscoa? Quais são seus planos?

CP – Eu vou passar um tempão cuidando do pêlo e deixando bonito de novo. Daí só no ano que vem, né?

T – O meu negócio é percussão, montei uma banda com um cachorro chamado zabumba e um gato chamado tamborim.

D – Que legal, como é o nome da banda?

T – Mole!

CP – hic, hic, hic!

T – Tá rindo do que, ô gueizinho?

CP – Emo!

D – Ih...vai começar de novo. Kikiki!

segunda-feira, 29 de março de 2010

ENTREVISTA COM CHICO


DING – Olá! Cem anos dia 2, hein?

CHICO – Pois é, passarinho, se ainda estivéssemos encarnados estaríamos comemorando o século.

DING – Com filme e tudo!

CHICO – Acho que vai fazer sucesso.

DING – Quantos livros hein?

CHICO – Eu fui apenas o instrumento, os autores assinaram.

DING – E o maior aprendizado?

CHICO – Eu diria que foi mais uma descoberta.

DING – O que?

CHICO – Amor, Amor, Amor!

DING – Toda a vida!

CHICO – Sim. Porque morte não é oposto de Vida, mas de nascimento. Vivemos para sempre.

DING – Onde?

CHICO – No corpo espiritual. Continuamos o trabalho mais importante de todos.

DING – Qual?

CHICO – Nossa evolução neste Universo maravilhoso.

DING – E o código que você deixou para seu filho e seu amigo, ele não vai aparecer aqui?

CHICO – Não precisa porque esta entrevista acontece toda na sua imaginação, passarinho.

DING – Para onde você foi?

CHICO – Para dentro.

DING – Quando você volta?

CHICO – Tempo não existe, quando você descobre o significado verdadeiro de Amor, torna-se Amor e vive no Eterno.

DING – Isso está me parecendo nunca.

CHICO – Se me for dada a oportunidade, reencarnarei. O trabalho não para.

DING – Os espíritas estão órfãos?

CHICO – Não. Deus é o Pai. Sou apenas um irmão mais velho.

DING – O espiritismo no Brasil ficou sem Chico?

CHICO – Deus se manifesta onde há o Ser Humano, outros instrumentos estão aí afinados, trabalhando. A obra não pára e não está restrita a esta ou aquela religião.

DING – E agora?

CHICO – Agora é o tempo preciso. Cada um no seu trabalho espiritual, na sua busca individual encontra aqui e ali uma palavra, um alimento, e vai seguindo em frente.

DING – Para onde?

CHICO – Para dentro.

DING – Obrigado!

CHICO – De nada!

E lá foi Chico, montado na sua luz cheia de brilhos.

Todo humano quando fala dele, lhe chama de Chico Xavier.

Chico (do espanhol, criança), CÂNDIDO (puro), chave é!

“Deixai vir a mim as criancinhas” e ele foi.

[E traziam-lhe também meninos, para que ele lhes tocasse; e os discípulos, vendo isto, repreendiam-nos. Mas Jesus, chamando-os para si, disse: Deixai vir a mim os meninos e não os impeçais, porque dos tais é o reino de Deus. Em verdade vos digo que, qualquer que não receber o reino de Deus como menino, não entrará nele.] Lucas 18, 15-17


quarta-feira, 17 de março de 2010

Visitas indesejadas















Ui que medo!
Bem na árvore de casa. Uma delas até fez cocô no meu quintal.
Ainda bem que não mora nenhum Harry Potter por aqui, senão ia querer criar uma destas belezinhas comedoras de agas.
Por isso meu humano não me deixa solto sozinho por aí.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

ACIDENTE

Quase! Quase voltei pra minha alma-grupo na quarta-feira da semana retrasada. Meu humano entrou no quarto e não me viu sobre o chinelo dele e pisou na minha cabeça.
Imediatamente comecei a pular como uma galinha com o pescoço quebrado. Ele me pegou e levou pro hospital. Ficou o caminho todo falando pra eu não morrer.
Chegando lá, eu caído de lado, meio desfalecido, fui atendido e veio o diagnóstico: Fratura no bico, talvez na cabeça. Meu olho esquerdo estava amassado mas reagia ao toque.
Tomei minha primeira injeção na vida, uh! Espero que seja a última.
Na primeira noite meu humano me acordava de hora em hora pra dar papinha com seringa. Agh!
Como eu não conseguia abrir o bico, ele tinha que forçar um pouco, isso doia muito.
No outro dia, quinta-feira, passei o dia todo tomando aquela meleca na seringa de hora em hora, era só um pouquinho por vez. Nesse dia voltei ao hospital e a doutora disse que eu já tava melhor.
Meu humano montou um ninho pra mim numa caixa na cama dele e eu dormi o dia e a noite toda durante três dias, mas na sexta-feira eu já ensaiei as primeiras bicadinhas na minha comida sólida.
Tinha que pegar meio de lado, por causa da dor e porque eu não enxergava direito com o olho esquerdo. A Jade bateu muito em mim nesses dias, não sei porque. Mas deixa eu sarar bem que ela vai ver quem manda aqui. Fiquei vários dias desequilibrado, caindo para o lado esquerdo.
Hoje, doze dias depois, já estou normal, subindo, piando e dando meus voos rasantes de novo.
Ufa! Desta vez a morte passou bem perto.
Meu humano não quis fazer nenhuma foto minha doente porque eu estava feio, muito feio. Agora já to tomando banho de novo e cuidando das penas normalmente.
Meu bico já tá bom, ele tinha ficado roxo, mas já tá quase totalmente rosa de novo.
Agora estamos tomando mais cuidado, quando ele vem andando eu pio e saio de baixo e ele olha bem onde pisa.
Agradeço aos amigos que ligaram pra saber como eu estava e rezaram por mim. A maioria nem soube do acidente, eu não queria falar sobre o assunto.
Logo coloco um filminho aqui de alguma estripulia minha. Essa passou perto.
Quase fui!
Mas agora vocês vão ter que me engulir...kikiki

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Entrevista com Tim Maia

Manuel! Foi pro céu! Kikiki!
Aproveitando que o Tim apareceu na entrevista dos Reis Magos, eu o chamei pra um bate-papo linkado*, tim-tim por tim-tim:

DING - E aí Tim, tudo azul?
TIM MAIA - Azul da cor do mar!
D - Caramba, que lindo! E como vai a vida?
TM - Que vida, ô azul? Eu morri, pô!
D - A vida post-mortem, pô! Kikiki!
TM - Ah, essa é sem volta, baixinho, mas vou muito bem, obrigado!
D - Baixinho por que? Você virou Xuxa? Me conta aí, como é lá?
TM - Lá onde pô? Fumou erva estragada?
D - Lá no céu, pô! Você não foi lá com o Manuel?
TM - Tá legal, cara, eu fui. Mas não te contei, rapaaaaix, eu emagreci! Hahahaha!
D- Kikiki! E aí? Onde fica o céu?
TM - Além do horizonte, azul! Um lugar pra gente se amar. Sacou a pegadinha? A gente tem que se amar onde estiver. Horizonte é aqui, dos seus olhos pra dentro.
D - Quando você morreu sentiu falta de alguma coisa?
TM - Chocolate! Eu só quero chocolate! Hahahaha!
D - O que você mais gostava de cantar?
TM - Mulher, cara! Minha musa, minha namorada, meu samba, se me lembro faz doer!
D - Caramba! Naquele seu filminho ali você falou da minha prima arara, você gosta de passarinho?
TM - Querido, eu gosto de tudo o que é totalmente natural, sou canário do reino, canto em qualquer lugar.
D - E no banheiro, você canta?
TM - Cantava, agora não mais pois não preciso ir mais lá. Hahaha!
D - Meu humano canta.
TM - Cara, era tudo de bom. Esse meu vozeirão reverberava gostoso, o xixi escorria no ritmo e tirava o cocô pra dançar. Hahahaha!
D - Que é isso, que nojo!
TM - Rapaz, deixa te contar. Sabe quem encontrei no céu? O Tom, meu, todo feliz. Fizemos uma dupla maravilhosa: TIM-TOM!
D - Legal. Quando meu humano canta no banheiro eu o chamo de TOMTIM! Kikiki!
TM - Hahaha!
D - Se você estivesse VIVO seu telefone seria TIM? Kikiki!
TM - CLARO! Hahaha!
D - O que você encontrou mais no céu, além do Tom e do Manuel?
TM - Paz interior e bom senso.
D - E gente?
TM - Minino, tá todo mundo lá! A Elis tá maravilhosa cantando com o Michael Jackson!
D - Não brinca. Eles cantam em português ou inglês?
TM - Tanto faz, lá não tem barreiras de língua, todo mundo entende tudo.
D - E agora, quando você lembra de comida, o que você faz?
TM - Mergulho no oceano e como uma onda! Hahaha!
D - Virou surfista?
TM - Wave!
D - O que você guarda mais dessa vida de cantor?
TM - Os bons momentos, uma terna paixão, um velho camarada, carinhos do meu público, música no ar e essa tal felicidade.
D - E o que você encontrou depois, que mais curte?
TM - Ah! Um lindo lago de amor, uma paixão antiga, sossego e Nossa Senhora!
D - Ah, você já vai?
TM - Vou com gás
D - Ainda tenho muito pra perguntar
TM - Não vou ficar, tenho de ir.
D - Então, Seu Síndico, boa viagem!
TM - Obrigado, to no caminho do bem.
D - Volte um dia de domingo.
TM - Volto! Com o descobridor dos sete mares.
D - Gostei do nosso papo.
TM - Eu também. Foi você e eu, eu e você.
D - Que beleza! Xau!

(*) Alguns links tem som, outros com vídeos que não tem nada a ver. O importante são as letras de músicas que foram cantadas por Tim.

Entrevista com os Reis Magos

DING - Sejam bem vindos Reis Magos. Como é mesmo essa história dos presentes ao menino Jesus?
Melquior - Pois é, achamos que ele merecia mais, mas ouro, mirra e incenso é a oferenda certa.
Gaspar - Na verdade é uma bonita lenda que inspirou a tradição de dar presentes no natal, por termos levado presentes ao Cristo.
Baltasar - Esse menino Gaspar gosta mais dessa parte mesmo. Vive dizendo que ele bem podia ganhar alguns presentes.

DING - E foi por causa da lenda é que se criou o presépio?
Baltasar - O presépio é só uma representação que torna a lenda mais bonita, não acha?

DING - Por que não tem passarinho no presépio?

Gaspar - Uai, não tem?
Melquior - Isso é pra ser perguntado aos católicos, que são os que mais cultivam essa tradição.
Gaspar - É, vai reclamar com o bispo! Qui, qui, qui, qui!


DING - E o que é presepada, dar com o presépio na cabeça de alguém?
Gaspar - Qui, qui, qui, qui! Essa eu queria ver!
Melquior - Eh Gaspar! Olha o respeito!
Baltasar - Passarinho, até parece que você não conhece os humanos, devem ter criado essa palavra porque fomos perguntar pro Herodes se ele sabia onde poderíamos encontrar Jesus, o Rei dos Judeus. Essa foi a nossa presepada mesmo. Ainda bem que alguém nos avisou pra não voltarmos por lá, senão ele ia fazer um mau uso da informação.
Melquior - Não adiantou nada, ele mandou matar todas as crianças menores de dois anos.

DING - E por que Reis Magos? Vocês são reis de que países?
Melquior - Existem controvérsias nessa história. Não somos exatamente reis, mas se diz que somos sacerdotes, de certa forma, naquele tempo, seria o equivalente a reinar sobre um grande número de humanos. Deve ser por isso.
Gaspar - E magos também era a forma de dizer que temos poder.

Baltasar - Sim, isso tudo, mas também por sermos sacerdotes da religição chamada de Zoroastrismo ou Masdeísmo e por oferecermos aqueles presentes - ouro, incenso e mirra - a Ahura-Mazda ou Ormuzd, que é como chamamos a Deus, é que fizeram essa ligação toda.
DING – Nossa, minha cabeça tá dando um nó.
Gaspar – É! Nós não temos pena mas temos dó... Qui, qui, qui, qui!

DING - Kikiki! E essa festa toda que é feita hoje?
Baltasar - Não achamos ruim não. Acho até que no Irã, de onde nós somos, deveria ter festa também.
Melquior - Talvez tenha entre os Parsis.
Gaspar - Ah, se tiver, aí a to lá! Qui, qui, qui, qui!

DING - E a tal estrela, que guiou vocês? Os astrônomos dizem que talvez tenha sido um cometa.
Gaspar - Não cometa o erro de acreditar sempre neles. Qui, qui, qui, qui!
Baltazar - Então, essa estrela estava lá sim e nos guiou direitinho. Isso é um Mistério.
Melquior - Naquele tempo não existia astrônomo, só astrólogo e isso nós somos também.

DING - Mas, se tinha a estrela, por que vocês foram perguntar pro Herodes?
Gaspar - Ih, agora ele pegou na veia! Esse bichinho tem pena mas não tem dó mesmo!
Melquior - É que era de dia.
Baltazar - Na verdade, fomos convidados por Herodes e ele acabou conseguindo descobrir porque estávamos lá.

DING - E agora, o que vocês vão fazer?

Baltazar - Vamos continuar inspirando os humanos a acreditar nessa lenda, para que eles sejam mais humildes, como nós que saímos do Oriente para adorar ao menino Jesus.

Gaspar - É, e o mundo continua dividido em orientais e desorientais. Qui, qui, qui, qui!

DING - E vocês andaram tanto que em vez de Reis Magos, poderiam ser chamados de reis magros...Kikiki!

Melquior - Eita passarinho sem vergonha!



video